O imobiliário de luxo floresce em Portugal em 2021

Os imóveis de luxo portugueses têm sido o setor de destaque surpresa da pandemia. Embora o mercado tenha sido inundado por pequenos apartamentos à medida que o negócio AirBNB entrou em colapso - existem algumas verdadeiras pechinchas abaixo de 1 milhão de euros neste momento em Lisboa e Cascais - casas de maiores dimensões com mais espaço, tanto no interior como no exterior, têm visto um aumento maciço da procura.

Casas de tipologias T4 a T5 em Cascais, Comporta e Lisboa estão a vender bem e de acordo com agentes, existem muitos mais pedidos de informação por parte de compradores com elevado património líquido do que há apenas alguns anos. As pessoas que tiveram que passar o confinamento em apartamentos mais pequenos, ou em centros urbanos, querem mais espaço e aqueles que adotaram o teletrabalho ou podem dar-se ao luxo de dirigir as suas empresas remotamente estão à procura de um lugar que vá ao encontro dessas suas expectativas.

Algarve ainda é popular

Outros agentes dizem que muitos clientes já têm uma casa de férias em Portugal, mas agora querem mudar-se para Portugal a tempo inteiro e estão à procura de um imóvel de maiores dimensões. Alison Hojberg da QP Savills diz que em 24 anos nunca viu o mercado de luxo do Algarve tão badalado como agora.

O Algarve está também a atrair uma multidão mais internacional. Foi sempre um dos favoritos dos britânicos, mas agora existe um número crescente de compradores de outras partes da Europa, particularmente alemães, franceses e também mais americanos. Há também uma boa procura por parte dos compradores portugueses.

Os grandes resorts foram sempre populares e com um preço elevado, uma vez que oferecem boas infraestruturas (incluindo gestão de propriedades) e instalações (clubes de golfe, bases aquáticas, restaurantes, etc.). A Quinta do Lago viu os seus números de vendas aumentarem quase um terço na primeira metade de 2021 e verifica-se também uma forte procura por unidades para revenda. Mas os imóveis aqui e em Vale do Lobo são extremamente caros. Uma vivenda que se venderia por 6-8 milhões de euros poderia custar apenas 2-3 milhões de euros nos arredores de Loulé, mais para o interior.

Mesmo os compradores que preferem este tipo de luxo procuram o interior, por várias razões

Em primeiro lugar, o governo tem vindo a impor restrições crescentes à construção junto à praia, o que, juntamente com um mercado apertado tanto de mão-de-obra especializada como de materiais de construção, tem levado a uma escassez da oferta. Em segundo lugar, a costa algarvia está bastante desenvolvida. Os imóveis no interior conseguem, por norma, oferecer mais espaço e mais privacidade, com um estilo de vida mais relaxado - e podem ainda assim situar-se a apenas 20 minutos da praia.

O equilíbrio também pode estar a deslocar-se mais para norte, a partir do Algarve. A notícia que dinamizou recentemente o setor imobiliário português foi que George Clooney vai construir uma casa de luxo no Costa Terra Ocean Club, em Melides, tendo-a projetado inteiramente de acordo com as suas próprias exigências. Esta zona do Alentejo, a sul da Comporta, está agora a ser descrita como "a nova Ibiza" - está mais próxima de Lisboa do que do Algarve e é também uma das zonas menos desenvolvidas da costa.

o que escolher senão o Algarve

 

Comporta já é uma cidade da moda

É um dos cinco destinos mundiais preferidos pelos investidores imobiliários premium, juntamente com Menorca e as Ilhas Canárias, por exemplo. Madonna, Christian Louboutin e a família real monegasca alojaram-se nesta área. É muito mais discreta e menos 'turística' do que muitas das cidades algarvias.

Hoje em dia, a costa a sul da Comporta está a assistir a um número crescente de desenvolvimentos. Esta era uma área de arrozais, pinhais e dunas, com praias abandonadas onde se podia galopar a cavalo ou passear à beira da água. Muito diferente da construção de alta densidade da costa algarvia. Os preços das novas construções são já comparáveis aos do Algarve.

Um dos primeiros desenvolvimentos, a Melides Art na Quinta da Comporta, foi inaugurado em 2019 e artistas e músicos têm vindo a juntar-se aqui - não tanto as famílias reais e empresariais que preferem a Comporta mais convencional. As suas 10 moradias são baixas, nuas, em cores ocre que refletem a areia e os jardins parecem quase uma extensão da vegetação das dunas de areia com ervas altas e pinheiros erguidos. Estão planeadas mais 22 moradias.

Há mais desenvolvimentos a caminho. Em La Réserve, Comporta, os preços das moradias começam nos 950 000 euros, com 82 casas de "aldeia" a partir dos 426 000 euros, e com alguns apartamentos também disponíveis. Tal como na Melides Art, o desenvolvimento foi planeado meticulosamente para refletir a sensação das aldeias piscatórias locais, ao mesmo tempo que proporciona um luxo moderno.

O maior empreendimento, Torre-Terras da Comporta, abriu caminho em 2020 e incluirá um hotel, instalações desportivas, 3 aldeias turísticas e 245 moradias.

Assim, é significativo que Clooney tenha escolhido esta área como um lugar para investir?

Ele e o seu amigo Mike Meldman, que está a gerir o desenvolvimento do Ocean Club, têm olho para bons investimentos. Já trabalharam juntos no desenvolvimento de uma marca de tequila, que venderam por $850m. Não tenho problemas em apostar que a área será um excelente investimento - mas poderá não reter a sua atual sensação de aridez e semisselvagem.

Por fim, as alterações ao regime do Visto de Ouro, que concede residência portuguesa para um determinado investimento imobiliário, não parecem ter tido um grande efeito no mercado do super luxo. São principalmente as propriedades imediatamente acima do limite de corte, em Lisboa, Porto e Algarve costeiro, que parecem ter sido afetadas.

Cada vez mais, os compradores querem vir viver permanentemente para Portugal - e há formas muito mais fáceis e baratas de o fazer do que obter um Visto de Ouro, tais como obter um visto D7 para qualquer pessoa que possa demonstrar um rendimento estável (tal como pensão, bens imóveis ou retorno de investimento) e que não queira trabalhar em Portugal.

Não acho que o George Clooney venha a ter qualquer problema - dado que o rendimento mínimo para um visto D7 é de 7 980 euros!

Blog banner PT

 

Procurar

email-1

Subscreva a Newsletter

email-1

Subscribe to our newsletter